quinta-feira, 25 de agosto de 2016

Procura-se um amor que tenha cor de mel, veneno no sabor e açúcar pro meu fel

Acho que já deixei bem claro que eu tô meio (muito, pra caralho) desiludida com os prognósticos para o meu futuro amoroso, ~de modos que~ eu tô sinceramente propensa a achar que eu não apenas nunca mais vou namorar como, num futuro distante, vou morrer e vão demorar uns três dias pra notar o meu sumiço já que o único ser vivo que terei por perto será o meu futuro cachorro - que vai ser o motivo pras pessoas arrombarem a porta de casa, já que ele vai latir, uivar e sentir muita falta da pessoa que o alimentava e DEUS SABE o quanto meus vizinhos odeiam bichos que fazem barulho... Enfim... DIVAGO.

Vale dizer apenas que eu nunca mais vou namorar, seja porque eu tenho um nível de exigência pra um namorado que pode ou não ser um pouco alto, seja porque eu tenho um dedo podre pra caralho e caio sempre nos mesmos dois ou três tipos de caras dodóis. Não vou namorar de novo, perdão aos defensores do ciclo da vida que, por ventura, se sentirem ofendidos com essa pequena verdade.

Mas é que eu já tentei de tudo, de verdade. Já tentei me envolver com gente que me deixava louca de paixão, louca de tesão, louca louquinha, gente que já me fez viver num constante estado de calma, gente que me fez chorar enlouquecidamente e passar vergonha por fazer isso em lugares públicos, gente pra quem eu signifiquei muito e - um monte de gente - pra quem eu não signifiquei nadinha. Já tentei todos os tipos de caras (porque, infelizmente, eu fui amaldiçoada com esse problema chamado heterossexualidade e não consigo me interessar por mulheres, seres muito mais adoráveis e menos escrotos) e apenas três deles chegaram perto o suficiente de me proporcionarem a ÚNICA coisa necessária pra eu ser feliz num relacionamento. E vocês sabem o que é isso? Estão preparados pra saber?

Eu quero alguém que melhore a minha vida, mas que NÃO SEJA o motivo da minha vida ser melhor. Eu não consigo CONCEBER a ideia de alguém que entra na minha vida apenas para melhorar, que seja a razão das coisas serem melhores. Porque, meu Deus, imagina quando essa pessoa for embora (as pessoas sempre vão embora, de um jeito ou de outro)! Imagina que horror você saber que boa parte da sua alegria dependia de alguém que por algum motivo ou outro não está mais lá. Complicado, caras.

Eu quero - e idealizo - essa pessoa que, quando chegar, vai expandir o meu mundo. Vai colocar mais um slot de alegria, não ocupar algum que eu já tenha. Alguém que tenha CONFIANÇA EM MIM e em quem eu consiga confiar, né? Eu não tenho pretensão nenhuma de sair com alguém que não seja dodói (até porque as pessoas da minha idade já tão bem danificadas pela vida), mas eu espero que essa pessoa SAIBA que é dodói, que eu também sou e que esteja disposta, assim como eu estarei, de encaixar as dodóizices de um jeito que as coisas dêem certo (pelo tempo que tiverem que dar), pra gente ser O ADICIONAL DE ALEGRIA na vida um do outro. Eu quero esse cara que seja capaz de mandar um "Beatriz, põe a mão na consciência" quando eu precisar botar a mão na consciência, e quero alguém que valorize as minhas opiniões, que tenha orgulho da pessoa que eu sou e que seja capaz de despertar em mim alguma coisa melhor, alguma coisa que me faça acreditar que eu até posso morrer sozinha sendo descoberta três dias depois porque o cachorro latiu e incomodou o vizinho mas que, caso os espíritas estejam certos, vá me encontrar do outro lado nem que seja pra zombar da minha situação (porque o cara que eu idealizo tem humor o suficiente pra sacar o riso da situação).
Eu quero alguém que não dependa de mim, Alguém que compartilhe comigo as coisas porque quer, não porque o fato de ser meu "namorado" o obrigue a compartilhar coisas comigo. Quero alguém com quem eu queira compartilhar minhas coisas: Meus pais maravilhosos, minha família (nem tão maravilhosa, nem tão simples, mas MINHA), as músicas que eu gosto e tudo o que faz de mim o que eu sou. E eu juro, eu juro mesmo que eu me jogo de cabeça e compartilho tudo o que a pessoa quiser compartilhar comigo e tô disposta a ser a melhor pessoa do mundo pra essa pessoa. Porque quando eu me sinto apaixonada, quando eu vejo que o lance tem futuro, é muito fácil deixar essa coisa toda amorosa que eu tenho aqui dentro sair pra fora. BIRRRRRRRRL.


Então é por isso que eu não vou namorar nunca mais: Porque eu desisti de achar essa pessoa que vai adicionar felicidade à minha vida ao invés de trazer a felicidade. Paciência.

Um comentário:

Tati Ferrari disse...

Moça, faz um tempo que conheci seu blog e não me lembro se já comentei aqui ou não, se por acaso eu já tive comentado e dito isso me perdoa, perda de memória: trabalhamos.
ENFIM
Eu ia dizer que fazem uns dois meses que conheci aqui e eu fiquei talvez um pouco obcecada pelos seus posts pois: são pessoais e mesmo assim me identifiquei, e você escreve de um jeito muito divertido, mesmo que o assunto seja bad e isso é ótimo!!!!!
Pra variar me identifiquei muito com esse seu post, pelo simples e óbvio fato de que também sou dodói e depois do descaralhamento todo que passei aprender a lidar comigo mesma e aceitar que namoro pode ser uma coisa tão tão distante na minha vida foi um baque daqueles, e foi ótimo ler isso tudo fazendo sim com a cabeça!!!!
Me identifiquei até com a história de São Carlos menine, porque também tenho umas coisas por aqueles lados do interiorrrrrrr
Falei demais, me desculpa <3

Novembro Inconstante